quinta-feira, 30 de junho de 2011

O solar dos morgados de Vilartão

Pormenor do solar dos morgados de Vilartão | Foto: Joaquim Malvar Azevedo
click na foto para aumentar

São pormenores como este, captados pela objectiva de Joaquim Malvar Azevedo, que nos permitem fazer uma ideia da grandeza do património histórico-arquitectónico existente no concelho de Valpaços mas que em muitos casos não se tem dado a devida atenção. Cumpre aos valpacenses louvar o seu autor pelo trabalho de divulgação que tem vindo a publicar no seu blogue recentemente criado relativamente ao morgadio, morgados de Vilartão, solar e respectivo acervo arquivístico.

Visite o

6 mulheres diabólicas que você (provavelmente) não conhecia

Stálin, Hitler, Pol Pot, Ivan, o Terrível. Provavelmente, estes são os primeiros nomes que vêm à sua cabeça quando te perguntam sobre “mentes diabólicas”, certo? Então esta lista é para você. Saiba que algumas mulheres podem ser bem diabólicas, a ponto de figurarem entre os humanos mais cruéis de todos os tempos. Veja seis mulheres infernais – e meio desconhecidas – que deixam qualquer tirano no chinelo.


Condessa Elizabeth Báthory de Ecsed (1560 – 1614)
Vários nobres de sangue azul derramaram muito sangue vermelho ao longo da história, mas a Condessa Elizabeth foi uma das únicas mulheres da realeza a se tornar serial killer. A húngara foi acusada de torturar e matar 80 garotas, com a ajuda de quatro pessoas. Mas testemunhas afirmaram que 650 cabeças de jovens donzelas rolaram por causa da condessa.
Elizabeth nunca foi sequer julgada. Mas, em 1610, a condessa foi submetida a uma espécie de “prisão domiciliar” em um castelo na Eslováquia. E ficou lá até morrer, quatro anos mais tarde.
Quer saber o pior? Tempos depois, foram encontrados textos que diziam com todas as letras que a condessa matava garotinhas porque – atenção! – gostava de se banhar no sangue de moças virgens para manter a sua juventude. Ai, se algumas celebridades brasileiras descobrirem esse segredo de beleza…


Delphine LaLaurie (1775 - 1842)
Mais conhecida como Madame LaLaurie, Delphine foi uma socialite de Nova Orleans. Em abril de 1834, um incêndio tomou a cozinha da mansão e os bombeiros encontraram mais do que labaredas por lá.
Nos escombros, encontraram dois escravos acorrentados. A dupla – que havia começado o fogo pra chamar atenção – levou os bombeiros para o sótão, onde havia mais ou menos uma dúzia de outros escravos presos nas paredes e no chão.
Aparentemente, LaLaurie havia instalado uma filial do laboratório do Dr. Frankenstein. Suas vítimas estavam amputadas, tinham bocas costuradas e sexos trocados (!). Teve boatos de que ela até executou uma cirurgia bizarra para transformar um dos escravos em caranguejo, realocando os membros de seu corpo. #tenso. Infelizmente, a justiça tardou e falhou – Delphine nunca foi pega pelos seus crimes.


Ilse Koch (1906 – 1967)
Os homens nazistas marcaram a história com muitos casos cruéis, mas Ilse Koch mostrou que a maldade não está só no cromossoma Y. Apelidada de “a maldita de Buchenwald”, Ilse foi casada com Karl Otto Koch, membro da SS, e superou o marido no quesito sadismo.
Ela ficou conhecida por ostentar uma coleção um tanto quanto sinistra – Ilse arrancava a pele de presos com tatuagens para criar revestimentos “exóticos” para as cúpulas das lamparinas de sua casa! Além disso, dizem que a mulher tinha o costume de andar nua pelos campos de concentração armada com um chicote: aquele que ousasse olhar para ela duas vezes apanhava feio. Ilse foi presa no fim da guerra e acabou se enforcando dentro de sua própria cela.

Mary Ann Cotton (1832 – 1873)
Mary Ann Cotton não era mole. Aos vinte anos de idade, ela se casou com William Mowbray e começou uma bela família – teve cinco filhos! Só que quatro deles morreram com “febre gástrica e dores de estômago”. Estranho, mas na época ninguém achou suspeito.
Mary Ann teve outros três filhos que, veja só, também faleceram. Logo em seguida, foi William quem partiu desta para uma melhor, por causa de uma “doença intestinal”, em 1865. A inglesa recebeu um dinheirinho de pensão e seguiu a vida, casando-se com George Ward logo depois. Só que George morreu do mesmo mal que William, assim como os dois últimos filhos da mulher. Sério mesmo.
A imprensa estranhou (já estava na hora, né?). Pesquisaram o passado de Mary Ann e desenterraram um histórico impressionante: ela tinha perdido três maridos, um amante, um amigo, a mãe e os doze filhos – todos de febre gástrica. Resultado? Ela foi enforcada lentamente em 1873 por homicídio causado por envenenamento. Sabe como é. Algumas pessoas não se dão bem com arsênico.

Belle Gunness (1859 – 1908)
Eis a história de Belle Gunness, uma serial killer que era um mulherão – literalmente, ela media 1.83m! Belle impunha respeito e metia medo em Chicago. A norueguesa cometeu crimes parecidos com a amiga ali de cima, mas desta vez não foi loucura. Foi pura ganância.
Ela matou seus dois maridos e todos os filhos que nasceram destas uniões, além de inúmeros namorados e pretendentes. Tudo para pegar o dinheiro dos seguros de vida (ou os trocados em seus bolsos). Dizem que, no total, foram mais de 20 vítimas, mas só conseguiram confirmar meia dúzia de mortes, incluindo a das suas duas filhas, Myrtle e Lucy.
A matadora não foi julgada e muito menos presa. Morreu supostamente em um incêndio criminoso, mas o corpo estava sem a cabeça – que nunca mais foi encontrada. Além disto, o laudo percebeu que o cadáver ali na maca era um pouco menor do que Belle. E aí, conspirólogos?

Katherine Knight (1955 – )
Para terminar, mais uma viúva negra. Katherine foi a primeira mulher australiana a ser sentenciada a prisão perpétua – graças ao seu histórico criminal recheado de violência. Exemplo? Ela basicamente quebrou os dentes de um ex marido, degolou o cachorro filhotinho na frente de outro marido (no maior estilo “o próximo pode ser você”) e perfurou o estômago do terceiro com uma tesoura.
Mas o homem que teve menos sorte (ou mais azar) foi John Charles Thomas Price, um namorado que acabou morrendo com uma faca de açougueiro enterrada no corpo – trinta e sete vezes. Enquanto dormia.
E como se não bastasse, Katherine pegou o corpo, esfolou a pele ensanguentada dele e pendurou-a na porta da frente. Cortou a cabeça e colocou-a na panela de fazer sopa e, para finalizar, assou as nádegas do homem! Ela ainda fez um molhinho e uma salada para acompanhar e estava preparando a mesa do banquete para os filhos dele quando a polícia chegou. Cruzes!

Por Tânia Vinhas

Imagens de satélite permitem encontrar pirâmides no Egipto

A arqueologia espacial “substituiu” Indiana Jones. Imagens de satélite sobre o Egipto permitiram descobrir 17 pirâmides que estavam desaparecidas e três mil infra-estruturas escondidas debaixo do solo, num trabalho pioneiro de arqueologia espacial de um laboratório em Alabama, apoiado pela NASA.
"Indiana Jones é o método antigo. Ultrapassámos Indy, desculpa Harrison Ford”, disse à BBC Sarah Parcak, do laboratório de Birmingham, Alabama, especializada em arqueologia espacial.
A equipa de Parcak analisou as imagens obtidas por satélites a 700 quilómetros da Terra, equipados com câmaras de infra-vermelhos capazes de detectar objectos com menos de um metro de diâmetro na superfície terrestre. “Escavar uma pirâmide é o sonho de qualquer arqueólogo”, comentou Parcak, dizendo-se surpreendida com o que ela e a sua equipa encontraram.
“Trabalhámos intensamente durante mais de um ano. Mas o momento alto foi quando pude, finalmente, ver o conjunto de tudo o que encontrámos. Nem queria acreditar que localizámos tantos sítios em todo o Egipto”.

Leia a continuação em http://publico.pt/1495833

Mais:

http://www.bbc.co.uk/news/world-13522957
http://www.uab.edu/history-anthropology/faclist/87-anthropology/23-ant-parcak

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Rosa Mota faz hoje 53 anos

Rosa Mota  em Osaka, 2007  
autor: Heike Drechsler | via Wikimédia Commons

Quem não se recorda ou não tenha já ouvido falar da grande atleta portuense de compleição franzina e extrema humildade e simpatia, surpreendeu a Europa e deixou o país enternecido quando, em 1982, em Atenas, ao som do hino nacional, ocupou o lugar mais alto do pódio, ao arrebatar a sua primeira medalha de ouro fora de Portugal naquele que foi também o primeiro campeonato feminino europeu da modalidade em que mais se tornou conhecida em toda a sua brilhante carreira – a maratona - no campeonato europeu que aí teve lugar nesse ano?

Rosa Maria Correia dos Santos Mota nasceu no Porto em 29 de Junho de 1958 onde começou a correr enquanto frequentava o liceu. Em 1974 representou o Futebol Clube da Foz e entre 1978 e 1980 o Futebol Clube do Porto, entrado, em 1981, para o Clube de Atletismo do Porto, onde se manteve até ao fim da sua brilhante carreira. Dois anos depois, como referimos, entrou para a alta-roda da competição. A sua vitória na maratona dos Jogos Olímpicos de Seul em, 1988, foi um dos seus momentos de glória mais festejadas pelos portugueses. Das 21 maratonas em que disputou entre 1982 e 1992, numa média de duas competições por ano, venceu 21.

Para conhecer mais dados biográficos sobre Rosa Mota, o seu palmarés, bem como as ordem de mérito recebidas,
click AQUI

Rosa Mota nos Jogos Olímpicos de Seul, 1988

domingo, 26 de junho de 2011

As “Alminhas” do concelho de Valpaços: Freguesia Santa Maria de Émeres

Por Leonel Salvado
Tema: Citação acerca da freguesia de Ervões | Objecto: Covilhete | Criação digital:  Leonel Salvado
 | Outros recursos:  http://www.iromababy.com (fundo superior);   
 http://www.planetasercomtel.com.br (fundo inferior).
(clique sobre a imagem para aumentar)

Tema: Monumento às Alminhas, St.ª M.ª de Émeres | Foto base: Leonel Salvado
 | Objecto:  Covilhete | Criação digital:  Leonel Salvado | Outros recursos:  http://www.iromababy.com (fundo superior); 
http://www.planetasercomtel.com.br (fundo inferior).
(clique sobre a imagem para aumentar)

Tema: Monumento às Alminhas, St.ª M.ª de Émeres | Foto base: Leonel Salvado 
Criação digital:  Leonel Salvado | Outros recursos:  http://www.iromababy.com (fundo superior); 
http://www.planetasercomtel.com.br (fundo inferior).
(clique sobre a imagem para aumentar)

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Dia de Corpo de Deus 2011

Imagem: http://regiaodocastelo.blogspot.com

Como é sabido, o dia de Corpo de Deus (Corpus Christi) é celebrado 60 dias após a Páscoa, podendo recair entre 21 de Maio e 24 de Junho. Ano passado foi a 3 de Junho e este ano celebra-se hoje, 23 de Junho.

Para rever o que publicámos, em 2010, a respeito desta data solene, click AQUI.

terça-feira, 21 de junho de 2011

365.º Aniversário do nascimento de D. Maria Francisca de Sabóia, rainha de Portugal

D. Maria Francisca de Sabóia | imagem em domínio público
 | Wikimedia Commons

Maria Francisca Luísa Isabel de Sabóia, nascida em Paris em 21 de Junho de 1646, a segunda filha de Amadeu de Sabóia, 4.º duque de Aumale e duque de Nemours e de Isabel de Vendôme, portanto da Casa Real de Sabóia-Nemours, foi a 28.ª rainha de Portugal e a segunda da dinastia de Bragança. Entrou em Portugal em 1666 após o bem sucedido acordo conduzido pelo 3.º conde de Castelo Melhor, D. Luís de Vasconcelos e Sousa com vista ao seu casamento com o jovem monarca português D. Afonso VI. Mas devido à insanidade mental d o rei, à inépcia para a governação e à incapacidade para a consumação do casamento, foi este anulado pela Igreja a pedido da própria “rainha” em 24 de Março de 1668. Sob pressão do irmão, o infante D. Pedro, D. Afonso VI abdicou do trono em favor da regência daquele. Uma bula papal autorizava entretanto Maria Francisca a casar com o cunhado, casamento esse realizado a 2 de Abril do mesmo ano. Desde então e até à morte do D. Afonso VI, em 12 de Setembro de 1683, Maria Francisca usou apenas o título de Princesa ainda que frequentemente fosse designada de Rainha-Princesa. Só partir dessa data, com a entronização de D. Pedro II é que passou usar com legitimidade o título de Rainha, na verdade apenas durante três meses e meio, já que veio a falecer de hidropisia em Palhavã, Lisboa, a 27 de Dezembro de 1683, sendo sepultada no Convento das Francesinhas que ela própria fundara. Os seus restos mortais jazem no Panteão dos Braganças, no Mosteiro de S. Vicente de Fora, para onde foram trasladados em 1912. Do seu segundo casamento, igualmente pouco feliz, nasceu apenas uma filha que faleceu solteira aos 21 anos. D. Pedro voltaria a casar em 1687 com Maria Sofia Isabel de Neuburgo com quem teve sete filhos, o segundo dos quais, dada a morte prematura do primogénito seu homónimo viria a suceder-lhe no trono com o nome de D. João V.

Para mais detalhes biográficos sobre D. Maria Francisca Isabel de Sabóia click AQUI.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Os Cruzeiros do concelho de Valpaços – Freguesia de Tinhela

I

Cruzeiro de Tinhela | Foto base: Leonel Salvado, 2011 
| Pseudo-azulejos (adaptação Leonel Salvado)
click na imagem para aumentar

Número: 12.19. 234
Local: Tinhela, junto da estrada que sai para o norte
Título: Cruzeiro
Material: Granito e cimento
Altura: 2,30 m, a cruz
Descrição: Simples cruz com o crucifixo policromado, resguardado por tosco alpendre de cimento, tudo assente sobre uma rocha natural
Data: Século XIX, alpendre recente

Fonte: Padre João Parente, Os cruzeiros da Diocese de Vila Real, Produção Media Line, Impresse 4, sd., [2004] p. 290.

II

Cruz do Senhor do Bonfim e Alminhas, Tinhela 
| Foto base: Leonel Salvado, 2011 | Pseudo-azulejos (adaptação Leonel Salvado)
click na imagem para aumentar

Local: Tinhela, junto ao cruzamento para Nozelos
Título: Cruzeiro do Senhor do Bonfim
Material: Granito
Descrição: base cubóide suavemente almofadada com lado superior abaulado assente sobre o que resta de antiga plataforma; fuste quadrangular biselado e encimado por cruz também toda biselada com excepção das extremidades dos braços; Na face frontal lê-se com dificuldade a inscrição “SENHOR DO BOM FIM”
Data: indefinida

Caracterização: Leonel Salvado

III

Cruzeiro em alpendre, Monte de Arcasexterior 
| Foto base: Leonel Salvado, 2011 | Pseudo-azulejos (adaptação Leonel Salvado)
click na imagem para aumentar

Local: À entrada de Monte de Arcas na estrada que sobe por Tinhela
Título: Cruzeiro
Material: Cimento e granito
Descrição: Plataforma quadrangular com escadaria frontal constituída por degraus simples e alpendre de três paredes, duas laterais e uma fundeira que alberga o cruzeiro composto por base cuboide, cruz simples de secção quadrangular com crucifixo policromado; Na parede fundeira azulejos policromados representado Nossa Senhora de Fátima e Nossa Senhora da Conceição ladeando a Cruz.  
Data: construção recente.

Caracterização: Leonel Salvado

Cruzeiro em alpendre, Monte de Arcasinterior 
| Foto base: Leonel Salvado, 2011 | Pseudo-azulejos (adaptação Leonel Salvado)
click na imagem para aumentar

sexta-feira, 17 de junho de 2011

O burro lanudo mirandês – um precioso valor patrimonial…

…até quando?!
Por Leonel Salvado
Foto da autoria de António Espinha Monteiro
 | in http://www.burroslanudos.com | reprodução autorizada

Se formos capazes de nos livrar de qualquer tipo de preconceito, olhar em volta e procurar em todas as áreas do nosso património os valores que ameaçam perder-se para sempre, poderemos também ser capazes de reconhecer que entre elas figura uma importante referência tradicional – o burro! E o facto de uma das mais resistentes raças asininas portuguesas, também já ameaçadas de extinção, ser justamente a do “burro lanudo mirandês” deve constituir entre os transmontanos orgulhosos do seu património mais um motivo de orgulho e de séria preocupação do que apenas um motivo de mera e proverbial brincadeira.  

Temos de reconhecer que o burro, apesar de, devido ao seu temperamento dócil e submisso, ter sido transformado pelo homem numa referência de personificação pouco lisonjeira, que é a que todos conhecemos, usamos e abusamos, foi uma das espécies que mais contribuiu para satisfazer as múltiplas necessidades materiais e culturais da Humanidade. Desde a sua domesticação, que se supõe ter ocorrido no Antigo Egipto há mais de 5 mil anos, anterior à do cavalo, com a designação o “Equus asinus europeus”, assim designado para o distinguir do “Equus asinus africanus”, outro tronco asinino proveniente da bacia do Nilo, o burro europeu foi sendo imortalizado na iconografia na literatura religiosa e pagã, bem como em todas as outras expressões da cultura erudita e popular, como são as fábulas e os provérbios, onde ele surge como personagem central. Mas esta grande figura da História da Humanidade que resistiu, com a serenidade que lhe é peculiar, a todas as provações por que a espécie humana o fez passar, inicialmente destinado à alimentação humana, depois à produção de híbridos e mais tarde para os serviços de carga e transporte, encontra-se hoje em perigo de extinção, assim em Portugal como no resto da Europa.

Em Portugal, a única raça existente, segundo os especialistas em filogenia asinina doméstica, é a do burro lanudo mirandês, da qual, em 2002, existiam menos de dez indivíduos reprodutores. A principal causa da redução drástica destes animais em Portugal é do mais elementar conhecimento geral, mas a questão relacionada com a preservação e recuperação da espécie é bastante delicada e preocupante, segundo o que se depreende das declarações de Miguel Nóvoa, responsável pela Associação para o Estudo e Protecção do Gado Asinino:

«A diminuição drástica destes animais parte da mecanização da agricultura, que tornam o burro menos importante na sociedade. Para constatar a sua importância actualmente temos de visitar países como Marrocos, Etiópia e Somália entre outros, nos quais os burros são utilizados diariamente para a recolha de águas e outros bens. Em Portugal esperamos poder continuara a trabalhar para um aumento da raça que neste momento se situa entre 800 animais, ou seja, 800 fêmeas reprodutoras. Irá diminuir este número drasticamente nos próximos anos, porque apenas conseguimos ter cerca de 80 nascimentos por ano dos quais apenas 50% serão fêmeas. Devido à idade avançada dos animais existe um maior número de mortes do que nascimentos. Há que continuar a trabalhar para que futuramente consigamos inverter esta tendência.»

Fonte: Carlos Santos, Terra de Miranda - Trazer o burro para o século XXI, in Café Portugal


Do «ESTIGMA do cria-burros» ao estrelato da criação

Quando o grito de alerta ecoou em Portugal, vários portugueses acorreram em defesa deste património, uns por inerência da sua formação ou vocação profissional, outros por mera simpatia, mas com igual mérito, e um desses portugueses, a quem rendo aqui as minhas homenagens, pela devoção que tem dedicado à causa da preservação da espécie asinina mirandesa, é o biólogo António Espinha Monteiro residente em Castelo Rodrigo. Vale a pena conhecer a sua obra, pelas suas próprias palavras.


António Espinha Monteiro

«Sou Biólogo de formação, escolhi as terras de Figueira de Castelo Rodrigo para viver por opção profissional e por aqui se encontrarem todas as minhas raízes familiares. Em terrenos agrícolas, alguns dos quais já eram dos meus bisavós paternos, nas freguesias de Vermiosa e Castelo Rodrigo, estabeleci a partir de 1999 uma pequena exploração agrícola de 18 hectares dedicada exclusivamente à criação de burros. Nesta actividade, ainda que seja exclusivamente um hobby, fui o primeiro criador nacional de asininos da raça Mirandesa. Desde 2002, estou nomeado pelo Ministério da Agricultura como representante nacional dos criadores desta raça, e nesse papel tenho colaborado com a Associação para o Estudo e Protecção do Gado Asinino.


Porquê criar burros

Tudo começou em 1999 com a compra da primeira burra lanuda. Essa compra surgiu pelo interesse que me despertou o contacto com os burros pois estava a acompanhar um estudo zootécnico sobre os asininos existentes no Parque Natural do Douro Internacional. Nessa altura parecia-me uma certa loucura, um verdadeiro estigma, pois estava no ar o peso da imagem negativa que estes animais ainda possuem, eles são frequente motivo de troça e gozo, pensei que ficaria associado pessoalmente a essas características. O primeiro animal que adquiri a burra Sendinesa (porque veio da zona de Sendim) custou 135 contos (cerca de 675 Euros), e mantive-a sozinha durante algum tempo, quase como experiência. Meses mais tarde achei que esta precisava de companhia e uma vez que havia, nessa altura, muito mais oferta do que procura, comprei mais 2 animais.
Pelo contacto com esses e outros animais jovens que entretanto fui adquirindo, em especial a Franjinhas (fui buscá-la a um negociante de gado na véspera de ser “embarcada” via TIR para Espanha!? para ser convertida em ração para cães), acabei por estabelecer as bases de pequeno projecto de criação de animais com aquelas características (semelhantes à raça Zamorana), ou seja animais com pelo denso e comprido, cor castanha escura, porte elevado, patas grossas e lanudas. Entretanto fui adquirindo e trocando animais até reunir o lote de 12 fêmeas e 2 machos (cheguei ter o dobro), que incluem as características zootécnicas e morfológicas que procuro (dentro da raça Mirandesa). Inicialmente pensava vir a organizar passeios de burros, mas optei por falta de tempo, por me dedicar exclusivamente à criação destes animais, esperando conseguir, através da venda dos animais nascidos na exploração, alguma sustentabilidade económica que pelo menos me assegure o pagamento das despesas associadas à satisfação pessoal de contribuir para salvar a raça Mirandesa.


Burros mediáticos

Os nossos burrinhos são muito mediáticos:

  • Noticia na revista Focus (2002)
  • Noticia na revista National Geographic (2003)
  • Noticia no jornal regional “Terras da Beira” (2004)
  • Imagem em reportagem na revista Volta ao Mundo (2004)
  • Notícia no jornal Terras da Beira (2004)
  • Notícia no jornal Nova Guarda (2004)
  • Notícia Amigo da Verdade (2004)
  • Anuncio da Lipton ICE TEA (Troll!!!!) – Verão de 2004
  • Quinta das Celebridades (Outubro a Dezembro de 2004)
  • Grande Reportagem (Dezembro de 2004)


A burromania??

“Os burros estão na moda”, é uma frase que cada vez com maior frequência se tem ouvido. Eles aparecem agora mais que nunca na TV, nos jornais, na net, são motivo de conversa já não tanto como motivo de troça e chalaça mas pelas características próprias deste animal, onde se destacam a docilidade, a tranquilidade a curiosidade. Será talvez, e finalmente, o lento despertar da sociedade portuguesa para a salvaguarda deste recurso genético. Será que ainda vamos a tempo? E será que fará sentido? A olhar pelo que se tem passado noutras nações europeias tudo indica que sim. O Reino Espanhol protege activamente a raça (de burros) Zamorana desde a Idade Média e tem presentemente 4 raças oficiais, em França estão declaradas 10 raças de burros (é possível encontrar, na net, mais de 70 associações e criadores), em Inglaterra há quintas com centenas de animais, etc. Com certeza não temos que abraçar a lavoura e por as máquinas agrícolas de parte para dar uma razão de ser à existência do Burro. São agora outras as utilidades e potencialidades deste animal na paisagem agrícola moderna. Destaca-se o seu uso em passeios turísticos ou recreativos, a pé, montando ou com charrete, por vezes associado ao turismo rural. Outras actividades são a asinoterapia, a educação ambiental (Quintas pedagógicas), a produção de leite, a produção mulateira, o uso como animal de companhia e o uso como ferramenta viva no controlo de plantas infestantes.
Os burros permitem também, e mais do que outros animais domésticos, que por momentos nos desliguemos do mundo e fiquemos simplesmente a admirá-los percorrendo a pastagem verdejante nalguma tarde de Primavera, quais “golfinhos de lameiro”. A capa de pelo denso e comprido que espelha a sua rusticidade e conforto num ambiente algo hostil, as suas grandes orelhas que exprimem curiosidade, o olhar tranquilo e nostálgico que lhe dão um ar inofensivo mas independente, são os sinais desse glamour rural que estará sempre na moda.»

Fonte: António Espinha Monteiro, Burros Lanudos

Evolução humana pode ser mais lenta do que se pensava

Estudo deverá ser confirmado em maior escala
2011-06-14
Estudo poderá repercutir-se na cronologia evolutiva

Os seres humanos podem estar a evoluir mais lentamente do que se pensava, indicou um estudo sobre mudanças genéticas feito com duas gerações de famílias, realizado no âmbito do projecto CARTaGENE, da Universidade de Montreal, no Canadá.

O código genético compreende seis biliões de nucleótidos ou blocos de construção de DNA, divididos por duas metades, uma herdada do pai e outra da mãe. Até agora, os cientistas acreditavam que os pais contribuíam, cada um, com 100 a 200 mudanças nestes nucleótidos.

Contudo, este novo trabalho aponta para a ocorrência de muito menos mudanças, sendo que, cada pai contribui, em média, com 30 mudanças. "Em princípio, a evolução acontece um terço mais lentamente do que se pensava anteriormente", disse Philip Awadalla, investigador da Universidade de Montreal

A descoberta deu-se a partir de uma análise detalhada dos genomas de duas famílias, cada uma composta de mãe, pai e filhos. O estudo abre novas perspectivas nesta área, embora o tamanho da sua amostra seja muito pequeno. Se confirmado em maior escala, poderá repercutir-se na cronologia evolutiva e mudar a forma como se calcula o número de gerações que separam o Homo sapiens dos seus antepassados.

Também há uma ideia generalizada de que as alterações de DNA - conhecidas em termos científicos como mutações – tendem a ser mais transmitidas pelo homem do que pela mulher, pelo que este estudo também poderá alterar essa percepção. 
Numa das famílias analisadas, 92 por cento das mudanças derivaram do pai. Mas noutra, apenas 36 por cento das mutações vieram do lado paterno. "A taxa de mutação é extremamente variável de indivíduo para indivíduo", frisou Awadalla, acrescentando que também há a possibilidade de algumas pessoas terem mecanismos que reduzem a probabilidade de mutações.

Esta variabilidade poderia levar a reconsiderar a previsão de riscos de doenças hereditárias, causadas por genes defeituosos, transmitidos por um ou ambos os pais. Segundo os cientistas, alguns indivíduos podem ter uma doença genética mal diagnosticada se tiverem uma taxa de mutação natural maior do que a taxa de referência

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Memorial da “Terra Mágica” – LM, Moçambique IV

Bairro S. José
Por Manuel Terra, 14 de Abril de 2011

São sempre momentos de imenso prazer, imbuídos de grande sensibilidade referenciar espaços que representaram um ponto de encontro da minha juventude, com aquela Lourenço Marques de que todos falam com brilhante entusiasmo. É verdade que  a cidade era a expressão própria de um paraíso prometido que se estendia desde o núcleo central até às zonas periféricas,   dormitório de gente simples que muito cedo, ainda a noite celeste cobria a urbe, já se avistava de sorriso nos lábios a dirigir-se para as paragens dos machimbombos, procurando chegar bem rápido aos locais de emprego para garantir o pão-nosso quotidiano. Eram exemplo disso os moradores do Bairro de S. José que nasceu nos primórdios do século XX, caraterizado  por casas típicas  térreas meias escondidas por árvores frondosas já com alguma longevidade. Por ali passava a Av. do Trabalho e de lá desembocavam saídas para a Matola, Bairro do Jardim, Vale do Influene , Choupal e o jovem Bairro de Benfica. Os primeiros habitantes do Bairro de S. José, criaram porventura por devoção ao Santo um vasto espaço  para ação eclesiástica mandando construir uma igreja  a preceito e uma missão católica para a difusão do ensino, por onde passaram milhares de alunos de todas as raças, com o lema de formarem homens que se tornaram amigos para sempre. Bem me lembro que ao lado do templo, se situava o campo de Futebol em terra batida, vedado com traves de madeira onde o Grupo Desportivo de S. José se treinava, no tempo em que se jogava por amor à camisola. Tratava-se de uma equipa popular que atuava no escalão secundário, do Campeonato Distrital. Aos domingos a mocidade irrequieta, com  grande aprazimento jogava futebol desde o romper da aurora até ao pôr-do-sol, regressando a casa ofegantes e a suar. Alguns deles vieram a fazer carreira em clubes portugueses, casos de Calton e Zeferino. Nos meados da década 60 foi inaugurado muito próximo das instalações da Missão, com pompa e circunstância o moderno Colégio D. Bosco dirigido por padres salesianos, que colocavam quase pelos modos a educação e o desporto no mesmo patamar, nutrindo pela prática do hóquei em patins um carinho muito especial. Criaram um ringue de patinagem e inscreveram o colégio nas provas federadas, gesto de incondicional apoio à modalidade. Dava gosto ver a organização daquele grupo, que desenhavam em campo rendadas jogadas de fazer furor junto dos simpatizantes e eram incondicionalmente na década 70, os dignos sucessores dos grandes hoquistas moçambicanos que 1958, deslumbraram Montreux. Ainda recordo da equipa do Colégio D. Bosco  os jovens promissores  Araújo, Afonso e o meu amigo Anselmo (Infelizmente já falecido). Tenho presente o Bairro de S. José pelos melhores motivos, onde contava com alguns amigos e não esqueço que os adolescentes, tinham como prática comum naquelas cálidas noites de verão sentarem-se nos muros das casas entoando músicas da moda, fazendo soltar das violas sons musicais que indiciavam vocações perdidas, em entretimentos que tardavam acabar. São estas memórias que fizeram parte de muitos dias da minha vida, que criaram laços de afeição aquela terra tropical. É natural que depois da separação, sempre assim aconteça.

In http://terramagica-terra.blogspot.com

terça-feira, 14 de junho de 2011

83.º Aniversário do nascimento de Che Guevara

Por Leonel Salvado
Che Guevara, fotografia de Alberto Korda
 | em domínio público | Wikimédia Commons

No dia 14 de Junho de 1928 nascia em Rosário, Argentina, aquele que foi considerado pela revista norte-americanaTime Magazine como uma das cem personalidades mais importantes do século XX – Ernesto Guevara de la Cerna, mais conhecido por Che Guevara ou El Che, devido ao seu constante uso do vocativo gaúcho “che”. Oriundo de uma família da classe média-alta “anti-peronista”, detentora de uma biblioteca com cerca de três mil volumes, começou desde cedo a desenvolver, em casa, o gosto pela leitura, incluindo obras de Julio Verne, Alexandre Dumas, Baudelaire, Neruda e Freud, mas também de Marx, Engels e Lenine que iriam moldar a sua personalidade e  as suas convicções político-ideológicas.

De saúde débil, propenso a ataques de asma que o atormentariam durante o resto da sua vida, em 1932, com apenas 4 anos, Che Guevara mudou-se com a família, a conselho dos médicos, para Altagracía, uma localidade da região de Córdoba, onde iniciou e terminou os estudos liceais, e mais tarde para Buenos Aires, ingressando em 1946 na Universidade, no curso de Medicina que viria a terminar no ano de 1951. Entretanto, através de viagens empreendidas a outros países da América latina no exercício de uma das suas profissões temporárias de repórter fotográfico ou por iniciativa própria, o jovem médico foi reforçando as suas convicções ideológicas revolucionárias à medida que se ia inteirando das situações de miséria e sofrimento em que o continente se via mergulhado, sobretudo a Guatemala, onde em 1954, Guevara assistiu à luta e ao triunfo de Guzmán, eleito presidente desse Estado à frente de um partido de cariz popular. Definindo-se, a partir daí, como um sério opositor ao imperialismo norte-americano, no ano seguinte estava no México, onde conheceu os irmãos Castro, Raúl e Fidel, e veio a participar em todo o processo revolucionário cubano durante o qual logrou granjear a maior quota-parte da fama que o imortalizou em toda a sua épica Cruzada contra a opressão e a favor da liberdade dos povos. Após o triunfo da revolução cubana, e garantida a sua estabilidade após novo triunfo contra o imperialismo dos EUA e os anti-castristas na Baía dos Porcos, sentiu o revolucionário errante o chamamento de novas missões pelo que, em 1965, com a anuência de Fidel, partiu para o Congo com um destacamento de cem”internacionalistas” cubanos, onde, por razões que são imputadas à sua própria imprudência pela falta do necessário reconhecimento prévio da realidade cultural e sociológica africana, conheceu a sua primeira grande decepção. 

Em seguida parte para as montanhas da Bolívia, onde julga, a partir daí, poder estabelecer uma base de guerrilha unificada dos países da América Latina com vista à invasão da Argentina. Aí conhece nova desilusão, não consegue o esperado apoio do Partido Comunista boliviano nem a simpatia da escassa população rural e, em estado de extremo desgaste físico e moral, é capturado no dia 8 de Outubro de 1967, conduzido à aldeia de La Higuera  e, aí, ingloriamente abatido, no dia seguinte, por um simples soldado boliviano. 


Os seus restos mortais, descobertos, em 1997, numa vala comum na cidade de Vallegrande, que fica a cerca de 50 Km de La Higuera, foram trasladados para Cuba e enterrados com honras de chefe de Estado, na presença de membros da família e de Fidel Castro. Também em Cuba foi erigido um monumento em sua homenagem, com base na célebre foto de Alberto Korda, d’oGerillero Heroico.

Para conhecer mais pormenores a respeito de Che Guevara clik AQUI.

Para conhecer uma versão mais pormenorizada acerca das circunstâncias da morte de Che Guevara, clik AQUI.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Dia de Santo António

Santo António de Pádua com o menino, de Guercino, 1656 
| imagem em domínio público | wikimedia Commons | in Wikipédia.org

Um dos Santos portugueses mais populares, dos mais queridos e festejados é celebrado a 13 de Junho na Itália, em Portugal e no Brasil.

É dia para recordarmos algumas notas que lhe dedicámos, neste mesmo dia, em 2010,

domingo, 12 de junho de 2011

82.º Aniversário do nascimento de Anne Frank

Annelisse Maria Frank, mais conhecida como Anne Frank, nasceu em Frankfurt am Main, a 12 de Junho de 1929, e faleceu em Bergen-Belsen, no início de Março de 1945. Foi uma adolescente alemã de origem judaica, que morreu aos 15 anos num campo de concentração. O seu diário foi publicado pela primeira vez em 1947 e é actualmente um dos livros mais traduzidos em todo o mundo.
Imagem: Anne Frank em selo comemorativo dos Correiros alemães, 1979 | imagem do domínio público | Wikimédia Commons
Para rever o que publicámos em homenagem a Anne Frank por ocasião do 81.º Aniversário do seu nascimento

Clik AQUI.

As “Alminhas” do concelho de Valpaços: Freguesia de Ervões

Por Leonel Salvado
Tema:  Citações acerca da freguesia de Ervões | Objecto: Covilhete | Criação digital:  Leonel Salvado | Outros recursos:  http://www.iromababy.com (fundo superior);    http://www.planetasercomtel.com.br (fundo inferior).
(clique sobre a imagem para aumentar)

Tema:   “Alminhas” em ruínas, Ervões | Foto base: Leonel Salvado | Objecto:  Covilhete | Criação digital:  Leonel Salvado | Outros recursos:  http://www.iromababy.com (fundo superior); http://www.planetasercomtel.com.br (fundo inferior).
(clique sobre a imagem para aumentar)

 Tema:  Alminhas N. Senhora do Carmo, Sá, Ervões Foto base: Leonel Salvado | Criação digital:  Leonel Salvado | Outros recursos:  http://www.iromababy.com (fundo superior); http://www.planetasercomtel.com.br (fundo inferior).
(clique sobre a imagem para aumentar)