sábado, 22 de outubro de 2011

DOCUMENTOS: Aldeias do concelho de Valpaços nos meados do século XVIII por freguesias – NOZEDO

Por Leonel Salvado


Nota prévia: A aldeia de Nozedo, actualmente uma anexa da freguesia de São João da Corveira, foi outrora freguesia independente. A sua autonomia relativamente à Corveira, que o presente documento dos meados do século XVIII, que aqui transcrevo, atesta, poderá remontar ao século XVII quando, já então, o respectivo pároco seria da confirmação e apresentação do Reitor da vizinha paróquia e Reitoria de Santa Leocádia do Monte. Também pertencia, por esse tempo, a esta freguesia de São Salvador de Nuzedo o lugar de Argemil, hoje anexa à de Carrazedo de Montenegro. Pela segunda metade do XIX, seria finalmente a anexada à freguesia de São João da Corveira, no termo da Vila de Carrazedo de Montenegro e, em 1853, com a extinção deste concelho, transitou, na mesma condição, para o concelho e comarca, entretanto criados, de Valpaços. Na presente transcrição entendi manter alguns topónimos na forma como se lêem na cópia do documento original.  

MEMÓRIAS PAROQUIAIS, 1758, Tomo25, NUZEDO, Chaves
[Cota actual: Memórias paroquiais, vol. 25, n.º (N) 38, p. 277 a 280]

Nuzedo
O Padre João Nunes, vigário nesta Igreja de São Salvador de Nuzedo, Comarca de Chaves, Arcebispado de Braga, Primaz, certifico em como, satisfazendo a ordem que me foi apresentada do Muito Reverendo Senhor Doutor Vigário geral desta Comarca de Chaves, para haver de responder a uns interrogatórios que pelo mesmo Senhor me foram enviados, e constam de papel lacrado de letra redonda, e o que deles posso certificar e pude averiguar, pelo que respeita a esta freguesia, é o seguinte.

Primeiramente, é situada na Província de Trás-os-Montes e se compõe de dois lugares, o de Nuzedo, aonde se acha junto dela, para a parte do Nascente, a Igreja Matriz, porém fora do mesmo lugar, a qual é pertencente ao Arcebispado de Braga, Primaz, e da Comarca de Chaves, pelo que respeita à jurisdição Eclesiástica. E pelo que respeita ao secular é do termo da Vila de Chaves, de que é donatária a Sereníssima Casa de Bragança, e da Comarca e Ouvidoria da mesma cidade e também o é pela Provedoria da Comarca de Guimarães.
Tem, este lugar, quarenta vizinhos e o número de pessoas de sacramento representa, entre machos e fêmeas, cento e vinte e cinco.
Acha-se situado não em vale nem totalmente em monte, mas sim em terra que pelos seus arredores produzem algum trigo, centeio, milhos, linhos e algumas hortas e tem algumas árvores de fruto como são castanheiros e algumas macieiras e pereiras e também algumas videiras de pouca quantidade. E junto dela, para a parte do Nascente, tem um regueiro que não dá pescaria alguma, o qual tem um pontilhão de pedra por onde se passa somente a pé, e além deste regueiro, correndo de Nascente para o Sul, se acha um monte de lenhas muito miúdas, o qual tem suas baixas em que se acham plantados castanheiros. Tem também seus lameiros do distrito deste povo e um rego de água de que se acham de poder os moradores o ir buscá-la ao distrito de Vilarinho do Monte e usarem dela somente para regar desde o primeiro de Abril até dia de São Miguel. Te mais duas fontes de água perene dentro do mesmo povo, correndo de Norte para Nascente.
O fruto que os moradores mais recolhem é centeio.
Dista dele a cidade de Braga, cabeça de Arcebispado, dezoito léguas, e a de Lisboa fica distante setenta e duas léguas.
No terramoto do ano de mil e setecentos e trinta e cinco [sic], não padeceu ruína alguma.
É orago desta freguesia o Salvador do mundo. Tem a igreja três Altares. No principal de acha o Salvador do mundo, em vulto, e nos colaterais se acha, da mesma sorte em vulto, a Senhora do Rosário, em uma, e noutro Santa Luzia e São Sebastião.
É esta igreja anexa da de Santa Leocádia, do Padroado Real. O pároco que se acha nela é vigário Confirmado e renderá, de um ano para outro, cinquenta e cinco mil réis.
Acha-se dentro do lugar uma capela da invocação de São Sebastião que é do povo, aonde se acha um Altar aonde se diz missa e nele se acha também a imagem de Santo António.

No que respeita ao lugar de Argemil, que é desta mesma freguesia e dista deste quase um quarto de légua, se compõe de quarenta e seis moradores e, ao presente, tem de pessoas de sacramento, que assistem missa, cinquenta e uma, entre homens e mulheres.
No que diz respeito aos frutos, são da mesma qualidade dos de Nuzedo, acima nomeado, e somente lhe acresce algum vinho que no dito termo se acha, ainda que pouco.
Tem este lugar três fontes perenes de que usa o povo, uma no fundo dele, outra no meio e outra no cimo. Tem mais um rego de água levada de outras fontes que se acham no mesmo distrito para a parte do Norte, o qual leva daí para o Nascente. Somente no tempo de Verão é que lhe encaminham as águas para uma poça que se acha dentro do povo no sítio a que chamam o Villar e daí, pelo juiz vintenário, é repartida entre os moradores para a rega dos frutos dos seus campos, até aonde possa chegar.
Tem este povo três capelas, uma no fundo dele, para a parte do Nascente, da invocação de Nossa Senhora das Necessidades, com três Altares e em todas se diz missa; em o Altar principal se acha colocada a imagem da mesma Senhora, em vulto, de Santo António e de São Bernardino. Nesta capela, de tempo antiquíssimo, se sepultam as pessoas que no dito lugar falecem e na mesma se lhes fazem os sufrágios pelas suas almas com a assistência do vigário da mesma freguesia. Há também nela uma Confraria do Santíssimo Coração de Jesus erigida por Bula Pontifícia e aprovada pelo ordinário em cuja Irmandade se acham muitos Irmãos, assim sacerdotes como leigos de um e outro sexo. É esta capela do mesmo povo cujos moradores dele a fabricam.
Como também há outra capela, da invocação de São Teotónio, que se acha em uma borda do povo, para a parte do Norte, e também há um Altar em que se diz missa. O santo que está no Altar é de vulto e também é fabricada pelos moradores do mesmo povo e só tem uma terra que rende para a mesma capela, cada ano, duzentos e cinquenta réis.
A terceira capela dos acima nomeados, é da invocação de Nossa Senhora da Conceição, aonde a imagem desta se acha em vulto, tem seu retábulo dourado e nele postos, também em vulto, Santo António e São Patrício junto deste Altar aonde se celebra o Sacrifício da missa. Acha-se esta capela situada no cimo do mesmo lugar, junto das casas. A fábrica se acha instituída por um vínculo de que é administrador o padre Patrício Fernandes dos Santos, abade de São Cosme de Pedome na Província do Minho.
Neste lugar também não padeceu ruína alguma no terramoto de mil e setecentos e cinquenta [rasurado] e cinco.

O correio de que se servem estes dois lugares é o da Vila de Chaves e se declara que o lugar de Argemil fica para parte do Nascente da declarada cabeça desta freguesia.
Declaro que o regueiro que passa pela parte do Nascente deste povo é muito pequeno e nasce no termo do mesmo e logo se mete em um ribeiro que passa pelas Vargeas, da Sagrada Religião de Malta, que fica para a parte do Sul. Tem o regueiro deste povo um moinho centieiro que se dá com muita água nos três ou quatro meses do Inverno e no mais tempo está quieto.


Tem este lugar e o de Argemil, para a parte do Norte, uma pedreira Barreira que não é fina nem muito graciosa, de que se fazem as casas e os templos desta redondeza.
Há também na igreja matriz deste mesmo lugar uma imagem de Nossa Senhora do Carmo, em vulto, que está no Altar maior, na parte do Evangelho, que a pôs um devoto e está nele por mandado do Senhor Vigário Geral desta Comarca de Chaves.

E não pude averiguar mais do que dizem os interrogatórios juntos. O referido é verdade e o juro in verbo Sacerdotis, assinado aos sete de Março de mil e setecentos e cinquenta anos.

O Padre João Nunes

O Reitor João de Almeida Sousa e Sá
O Reitor de São Nicolau de Carrazedo, António Gomes

Sem comentários:

Enviar um comentário